Criança e as emoções

Preocupamo-nos tanto em estimular as nossas crianças para serem inteligentes, para serem boas na escola, educadas, com boa auto-estima…

No entanto, perguntamos a todos os pais o seguinte: afinal o que é que está por detrás de tudo isso? O que é que condiciona grandemente a capacidade da criança em estar disponível para aprender, para lidar com uma birra, na aproximação às outras pessoas (colegas e adultos), a gerir sucessos e insucessos, a persistir?

A resposta é simples: a forma como lida com as emoções….

Aliás, esta grande competência é essencial ao longo da nossa vida e impede-nos até de adoecer (física e psiquicamente). É algo que aprendemos sobretudo nas primeiras relações de intimidade (com pais) e depois vamos aperfeiçoando com a idade.

No entanto, continua a ser incrível como a palavra EMOÇÃO (por mais que seja algo tão natural como a sede) ainda levanta tantas desconfianças por parte de educadores, pais e, por consequência…por parte das crianças.

Isto é tão mais relevante, considerando o facto de que a atitude dos pais face às emoções da criança, bem como o todo o discurso emocional que utilizam irá determinar, posteriormente, a forma como ela lida com o que sente nas mais diversas situações.

Foi com esta consciência que as psicólogas do Espaço Psicológico, em conjunto com o blogue Espaço da Família se juntaram para levar a cabo o projeto: Letras Pequenas, Corações Grandes!

letras-pequenas

Com este projeto pretende-se propor a pais e educadores que façam um pequeno microconto (até 200 palavras) para poder partilhar com as crianças que têm ao seu cuidado. Este conto tem de ser simples, adequado à idade, deve identificar uma emoção, reconhecê-la como algo natural e, no final, trazer um final que “resolva”/ajude a criança a lidar com a emoção. (Para mais pormenores, leia mais abaixo)

Desta forma, pretendemos criar uma corrente de pais e crianças que criem o hábito de conversar sobre emoções. Isto porque, quando nos sentamos com as nossas crianças para falar do que sentem, reforçamos o vínculo que nos une, mas também as ajudamos a crescer, fazendo-as sentir-se mais seguras e acompanhadas.

Se estiver interessado em participar envie-nos um e-mail. Todos os trabalhos serão editados por nós e publicados no blogue “Espaço da Família” e partilhados na página facebook e site do consultório Espaço Psicólogico

Para mais informações sobre como participar, escreva-nos para: espacopsicologicocoimbra@gmail.com


Para participar neste projeto é importante saber:

  • O texto deve ter até 200 palavras;
  • O autor deve ser identificado através de nome e pequena descrição sobre si (profissional ou pessoal) de acordo com o que se sentir à vontade para partilhar;
  • Se for do seu interesse, o autor pode identificar também as crianças a quem se dirige o conto (ex: nome dos filhos, netos….);
  • Pode ser um conto feito em conjunto entre pais e filhos – os mais pequenos podem ilustrar o conto com um desenho, por exemplo;
  • O seu conteúdo deve incluir: uma emoção e uma proposta de “resolução” dessa emoção : a personagem da história deve reconhecer e aceitar a emoção como normal e deve ficar manifesta a competência da personagem para lidar com ela (sem evitar ou fugir daquilo que sente);
  • Atenção com as emoções: não devem ser vividas num contexto de culpa nem acusação, devem ter um enquadramento positivo (ou seja, devem ser vistas como fundamentais e naturais).